Desde 1992, Flavio Samelo anda pelas ruas de São Paulo fotografando skatistas. Alguns deles eram também grafiteiros e outros pichadores que acabavam convidando Samelo, como é conhecido, para fotografar os grafites e os pixos também pelas ruas da cidade.

Esse foi o começo de muita coisa para o fotógrafo que acabou entrando para a arte pelas ruas assim como entrou na fotografia. Essa outra produção acabou levando Samelo a introduzir em suas fotografias de skate os grafites, pichações e outros elementos urbanos que lhe chamavam a atenção nas sessions de skate e que foi seu diferencial durante o começo de suas fotografias.

Depois de se formar comunicólogo e trabalhar como diretor de arte, fotógrafo, Redator, ilustrador para revistas de skate brasileiras e internacionais, além de colaborar com revistas de outros assuntos como Revista da MTV, Rolling Stone, Adbusters, entre outras durante 6 anos. Em 2006 lançou um modelo de tênis assinado, pela NIKE SB no Brasil, o qual se tornou item de colecionador em todo o mundo.

Logo após, Samelo decidiu voltar aos estudos de arte e cursou uma pós graduação em História da Arte, onde descobriu, entre muitas outras referências, os artistas concretos paulistas da década de 50 e suas pesquisas e estudos sobre fotografia, forma e cores. Foi um novo começo para uma nova produção. A partir de então os trabalhos começaram a ter cada vez mais uma busca de um resultado plástico e gráfico que uni se as fotografias urbanas com as teorias e a pesquisa visual sobre a arte concreta que tanto o agradou e artistas como Geraldo de Barros, Thomas Farkas e todos os fotógrafos modernos brasileiros se tornaram referência de suas pesquisas.

Hoje, a produção de Samelo tem duas pontas: a produção fotográfica onde todas as fotos tem tiragem única, tornando-as originais indiscutíveis e assim como suas pinturas e painéis, vem buscado uma nova maneira de misturar a fotografia com a pintura concreta que vêem produzindo, usando fotografias como base das pinturas e transcendendo os limites da fotografia usando formas, cores e linhas dando uma nova realidade gráfica as suas fotografias. Esses trabalhos já foram expostos em leilões e galerias em São Paulo, Porto Alegre, Goiânia e no exterior, como nos Estados Unidos e recentemente em uma exposição coletiva na Holanda. Também participou da 5ª Bienal Vento Sul, em Curitiba, com uma sala para sua obra.

Atualmente também produz uma série de trabalhos comerciais e de consultoria criativa, onde procura trabalhar com artistas e profissionais de várias vertentes diferentes, com diversas empresas multinacionais como Samsung, Nike, Red Bull, Santander, Twitter, Facebook, etc. Também é um dos sócios da produtora/agência Vista Art focada em comunicação com público jovem cuidando dos conteúdos proprietários e especiais da empresa.